Os dias são outonos: choram...choram... Há crisântemos roxos que descoram... Há murmúrios dolentes de segredos... Invoco o nosso sonho! Estendo os braços! E ele é, o meu amor, pelos espaços, Fumo leve que foge entre os meus dedos!

-Florbela Espanca-

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Oráculo

Fique longe das sementes de teus damascos frescos
Menina das tranças rosadas, vestidos azul bordado,
E das sapatilhas feias!

Elas já a matariam por não lhes passar a garganta...
Não envergonhe-te das sapatilhas sujas da tua terra,
Mas elas são tão feias!

Me diga, — Quem está apertando mais teu coração?
A tua miséria ou as sapatilhas feias?
Naturalmente uma não é consequência da outra...

Me diga — Que fada anda apertando a barriga do teu bicho?
Não há nada pra temer, a não ser que você os deixem dizerem;
- Pobrezinha, mas que sapatilhas feias!

Fique longe ainda das sementes de olho-de-cabra
Embora essas possam passar em tua garganta estreita,
Passe-a como colar, e ofusque as sapatilhas feias...

O céu a noite toda se pinta e se repinta e pode mudar...
Veja tuas sardas no espelho como constelações,
Veja só, tens pés bonitos.




1 comentários :

JOSÉ ALVES disse...

um lindo texto.

Postar um comentário