Os dias são outonos: choram...choram... Há crisântemos roxos que descoram... Há murmúrios dolentes de segredos... Invoco o nosso sonho! Estendo os braços! E ele é, o meu amor, pelos espaços, Fumo leve que foge entre os meus dedos!

-Florbela Espanca-

terça-feira, 10 de março de 2015

Ao vejante



O que se quer ver,
Veja!
Veja o que se quer ver!
Mas seja
Capaz de alvejar.

1 comentários :

JOSÉ ALVES disse...

um bom texto. A dualidade em tão poucos versos.

Postar um comentário